Alimentação Energizante

Alimentação Energizante

Alimentar de luz, de energia,  da fonte original.

A alimentação é em sua mais simples forma o ato de obter energia. Ato de instintivamente obter através dos sentidos físicos um substrato que contenha um conjunto de elementos necessários a manutenção da vida em um ente vivo.

Usina alimentar humana

Usina alimentar humana

Este alimento, por assim dizer, deve conter, portanto, uma gama de nutrientes, que juntos constróem as células e as renovam, promovem sua organização fisiológica e controlam todos os aspectos moleculares que proporcionam, em última instância, o equilíbrio do organismo do ser.

A alimentação humana participa destes simples e rústicos preceitos e prova disso é que todos os sentidos e instintos estão preservados a milhares de anos através de  aspectos como fome, gosto, prazer, secreções, digestão.

A cultura e intelecto participam de outros preceitos, os quais foram incluídos no hábito alimentar humano, pela forma de doutrinas, estudos, pesquisas e protocolos. A alimentação científica participa na fomentação de conteúdo acadêmico ao processo.

Assim, entre ambas as manifestações, seja esta o fenômeno ou o propedêutico, há uma terceira forma , uma possível forma, de fazer com que o ato seja por si só um ritual individual, interno, sagrado e ao mesmo tempo embasado, inteligentemente aplicado e totalmente livre.

Aí está a diferença entre seguir e sentir. A auto-percepção  e a obediência ao estado interno, mesmo com um molde geral de conduta alimentar implantado ao comportamento humano de forma sutil e que nem sempre é a forma ideal, visto que cada indivíduo é único.

Saber comer é sentir comer e vice-versa. Comer é a perpetuação da vida das células. É a celebração da colheita ao se plantar as sementes. A partir daí, toda e qualquer atitude de cuidado, dedicação e respeito incluída a este hábito (sagrado) é uma forma de auto-respeito.

A possibilidade de escolha em nosso tempo é algo que em parte nos fez vítimas da própria necessidade e desejo de obtê-la. A fartura foi tida por muitos anos como sinônimo de saúde, assim como alimentos de baixo custo (e baixa qualidade) como sinônimo de vantagem (!!) por questôes econômicas e financeiras.

Por isso, ao pensar no termo alimentação energizante, há de se livrar de diversas amarras que nos colocam num lugar comum e por muitas vezes nocivo, por nos tornarem indivíduos robóticos e sem capacidade crítica.

A energia que nos envolve chega ao nosso corpo físico como uma espécie de manifestação de elementos, que seriam estes em cinco: metal, fogo, madeira, terra, água.

 

Essa energia se torna portanto material , e este é seu primeiro combustível, o alimento material.

Como seria um alimento material, o qual por si só já contém a maior densidade (matéria)  possível num sistema de geração de energia que se destinará a alimentar também nossa mente e demais corpos sutis, campos eletromagnéticos e similaridades?

Qual poderia ser o alimento que traz em si energia radiante, produzida  espontaneamente pela vida, qual alimento ocupa a imagem mental neste momento?

Pois há de se pensar e refletir seriamente nisso, para chegar a verdade interna total,   para que o alimento dos elementos de cada ser humano seja sentido na mesma fonte   que os carrega, o indivíduo.

Os elementos estão dando vida ao físico, e estão sendo todo tempo traduzidos pela mente, para que sejam assim obtidos e assimilados. O fogo por exemplo é a nossa capacidade digestiva, que mecanicamente processa os alimentos e os torna moléculas prontas para virar vida em nós.

Neste caminho, há de buscar clareza da mente, para ao mesmo tempo sentir esta necessidade interna e decidir a melhor ação no aspecto alimentar.

O ato alimentar é a maior forma de presentear a luz a nós mesmos, e por mais exótico que isso possa parecer, é o que a ciência do intelecto  está a constatar a cada ano que passa. Apesar de muita dominação e controle por veículos de mídia, traumas e compulsões por transtornos emocionais da mente e inversões de valores por questões financeiras estarem relacionados ao comer do humano moderno, este mesmo declínio será a resposta para a ascensão, é essa é a metafísica da alimentação energizante, o retorno as origens sagradas.

Elixir diário de VIDA.

Elixir diário de VIDA.

Alimentação natural.

 

Este ato não precisa ser numeroso, abundante, desconfortante, e estes são sinais  de que há algum desequilíbrio na roda dos elementos que nos fazem corpos   físicos vivos. Ou seja: não existem regras, existem percepções. A fome é uma aclamação da mente, que se pensa soberana dos sentidos, e não dos elementos em si, não do corpo em si.

Não há de se comer muito, nem pouco, não há de ter horários e regras rígidas, não há de negligenciar suas demandas. Mas há de compreender e ver o fato de que a mente é influenciada pelo todo e influencia pelas próprias emoções geradas para atingir os elementos do corpo. Pode-se por exemplo sentir raiva, ou tristeza, ou alegria, ou rancor, alterando o estado original, e com isso afetar em muito o ritual da celebração alimentar.

 

Seria realmente a fome, o comando instintivo, ou compulsão por ansiedade, o comando da mente? Seriam estes protocolos de refeições, e números e conteúdos,  e o que comer e o que não comer, uma forma de gerar ainda mais transtornos e confusões neste fenômeno?

Ou ainda: o fenômeno pode se tornar hábito sem se degradar?

O fenômeno, que é a alimentação, pode ser cada vez mais abrangente, conectando  mente, elementos físicos, emoções e corpos energéticos sutis (fora do campo do intelecto)?

Apoptose celular vista a microscopia eletrônica. Remoção de células defeituosas pelo próprio corpo, quando em equilíbrio.

Apoptose celular vista a microscopia eletrônica. Remoção de células defeituosas pelo próprio corpo, quando em equilíbrio.

Deixe uma resposta